Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

14
Mai 20

A gastronomia da classe piscatória ancorense era pobre e variava apenas com a disponibilidade dos alimentos, em função das estações do ano. A sua principal fonte de proteína era o peixe, às vezes os ovos e, mais esporadicamente, a carne de porco e as aves de capoeiras.

O peixe era consumido fresco, salgado ou seco, constituindo estas duas formas de conservação uma reserva alimentar para o Inverno ou para os períodos prolongados de tempestade que os impedia de “ir ao mar”.

n.jpg

Em finais do século XVIII e inícios do século XIX, uma conjuntura internacional condicionou a entrada de bacalhau, de consumo quotidiano, levando a uma atenção redobrada sobre métodos que, salgando a sardinha (e outros peixes), substituísse com êxito o “fiel amigo”. Esta sardinha ficou conhecida como “de barrica” (Amorim, Da pesca à salga da sar­dinha, 2014).

Quando vinham do mar, cada pescador tinha direito a um quinhão de peixe chamado “caldeirada” e que era constituído por exemplares com menor valor comercial ou com algum defeito (roído, por exemplo).

Era deste quinhão que a família se alimentava, cozinhando, conforme as espécies, em caldeirada, frito, cozido ou grelhado. Era também este peixe a base da refeição que o pescador levava para o mar no “foquim” ou “baú” e que comia a bordo num dos momentos de pausa, enquanto esperavam para alar as redes ou os anzóis. O baú, inicialmente era uma caixa em madeira que o pescador levava para o mar e que transportava a me­renda. No caso dos mestres, guardava também os documentos do barco, bem embrulhados em lona para não se molharem acidentalmente e a agulha de marear. Em meados do século XX a caixa de madeira foi substituída por uma caixa metálica.

Para consumir frio, a preferência era por peixe frito, simples ou com cebolada e variava entre fanecas, “sorelos” (carapau grande), maragotas, sardinha, raia, ca­ção, cavala, cascarra ou negrão. O acompanhamento habitual para o peixe era a batata, mas por vezes era substituído pelo arroz ou massa. O caldo de hortaliça era o aconchego dos estômagos, muitas vezes o único alimento em épocas de maior penúria.

O peixe que seca­vam era: a raia, a cascar­ra, o cação e o “sorelo”, dependia dos gostos de cada família. Os pescado­res das lanchas traziam do “Profundo” outras es­pécies como o “alimão” e a “pala” que também se­cavam ao sol, depois de esfregados com sal para a mosca varejeira não pou­sar. O “profundo” era um pesqueiro no extremo da plataforma continental a cerca de 35Km da costa.

g.jpg

Em caso de doen­ça, era sacrificada uma ave da capoeira, com a qual se fazia a canja, sendo o restante consumido cozido. Em dias de festa também podia a galinha ser a ementa, guisada de preferência, pois as bocas eram sempre muitas a alimentar e assim “rendia” mais.

A importância do porco na vida dos pescadores, tal como na vida ru­ral, era fundamental. Embora nem todas as casas da classe piscatória “ma­tassem porco”, a maioria possuía uma pequena corte, onde criava o suíno, que depois era abatido e desmanchado, sendo as suas carnes aproveitadas para enchidos e para salgar. A carne de porco constituía mais de 80% da dieta carnívora dos pescadores. A matança do porco, um ou dois, conforme as necessidades e a importância da casa era, como diz o ditado, o governo da casa para todo o ano (Rosende, 2009).

A matança constituía, tal como ainda hoje, um dia de festa para os fa­miliares e vizinhos que vêm ajudar, pois são muitos os trabalhos que acarreta.

Fotos de Jorge Simão Meira

publicado por Brito Ribeiro às 12:24

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO