Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

31
Mar 20

2 - Vista parcial do Portinho e Avenida Marginal -

Este conjunto de sete posts sobre o início da comunidade piscatória de Vila Praia de Âncora procura esclarecer algumas dúvidas designadamente, sobre a construção do portinho e a sua evolução ao longo dos séculos XIX e XX.

O texto foi retirado e adaptado do livro "A Masseira Ancorense" que eu próprio e o amigo Celestino Ribeiro escrevemos em 2015.

 

O longo areal entre o Moureiro e Penedim (afloramento rochoso no Lugar da Gelfa), tal como a bacia natural bem abrigada por entre penedos, eram con­dições propícias às incursões de piratas e corsários do norte e da pirataria ber­bere vinda do norte de África.

Por isso, a povoação de Gonti­nhães, que a partir de 1924 passou a designar-se Vila Praia de Âncora, cres­ceu afastada do mar e destes perigos, sem nunca deixar de explorar os benefí­cios que dele podia extrair.

P1060515.JPG

Sazonalmente, durante os meses de verão, faziam a apanha de algas para fertilizaram as terras e o peixe que nas trancadas (armadilha que consiste em estender uma rede transversal ao curso do rio para capturar o peixe que sobe ou desce para o mar) do rio ou nas camboas (recinto vedado com pedras soltas, entre a linha de praia-mar e baixa-mar, onde se apanham os peixes que ali ficam presos com a descida da maré) logravam capturar.

A pretexto da Guerra da Restauração (1640-1668) e porque esta cos­ta era frequentemente fustigada pelas incursões de piratas, foram cons­truídos no final do século XVII um conjunto de fortificações no Norte de Portugal, designadamente o Forte do Cão e o Forte da Lagarteira, junto à referida bacia natural. Com o problema da segurança resolvido, Gontinhães vai progressivamente descer dos montes, mas a actividade marítima parece não ter sido desenvolvida pelos seus habitantes.

Do lado sul do Forte da Lagarteira é identificável uma pequena reen­trância entre a penedia que inflecte para sueste a partir do seu ponto mais proeminente, a Ponta das Medas, e os afloramentos rochosos do Moureiro a desvanecer para dar lugar à zona arenosa que se estende até Penedim, no outro extremo da enseada, onde a costa retoma novamente a característica rochosa até às praias de Afife.

Refere o Abade de Gontinhães em 1758 (Inquirições de 1758),

“nesta freguesia há um Porto de Mar por natureza, aonde chamam o Porto de Âncora no sítio do lugar da Lagarteira, pelo qual entram somente barcos de pescadores, e algumas lanchas de Galiza e Caminha, principal­mente nos meses de verão, ou estando o Mar sereno”.

Nesta reentrância destacam-se em pormenor a característica rochosa do leito, às vezes parcialmente assoreado, a proeminência do lado norte da Pedra Fanequeira e mais a poente desta, o baixio do Lira semi-submerso.

O varadouro é arenoso a partir da linha de meia maré. Na zona envolvente do varadouro são já visíveis as primeiras constru­ções, umas simples instalações onde se guardam alfaias e o sargaço, aqui abundante, depois de seco. Esta actividade de recolha, secagem sobre a penedia e armazenamento do sargaço, é exercida pelos lavradores da fre­guesia, que são os proprietários das instalações e das parcelas de terreno anexas.

Por esta altura encontram-se aqui, junto às pequenas instalações do sargaço, três ou quatro barcos de pesca propriedade de lavradores da fre­guesia que, na acalmia dos meses de verão pescam para consumo e eram utilizadas na recolha do sargaço que arrancavam na baixa-mar com a ajuda de foices. Tratava-se, talvez, de pequenos caíques, tripulados por um ou dois homens.

A reentrância que vai dar origem ao Portinho é assinalada numa carta da costa portuguesa de 1753 com a seguinte descrição:

“Segue-se a costa mais áspera até ao rio Âncora, em recifes de pedras. Junto deste rio, por entre penedos, há uma entrada de braça de fundo, amparado do tempo, onde se recolhem muitos barcos portugueses e ga­legos.“ (Peixoto, 2001)

porto antigo cópia.jpg

Esta é uma confirmação do carácter sazonal da actividade piscatória e que era desenvolvida por gentes estranhas à comunidade local, que ficavam por alguns dias ou semanas acantonados precariamente em cobertos ou mesmo no aconchego possível dos barcos varados na areia.

Um manuscrito de 1818, assinado por “Presa”, refere-se a esta reen­trância chamando-lhe “Portinho de Âncora, guarnecido com um bom castelo”. E faz alusão à ac­tividade piscatória desenvolvida dizendo que “Corre aqui muito dinheiro todos os anos e por isso lhe chamam “porto do ouro”.

publicado por Brito Ribeiro às 13:16

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.


Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


subscrever feeds
Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO