Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

28
Mai 07
O Pincho situa-se na freguesia de S. Lourenço da Montaria, embora seja consideravelmente mais fácil aceder-lhe pela vizinha freguesia do Amonde.
Outrora era um local de difícil acesso apenas servido por um estreito caminho de monte que eu e os meus amigos, na adolescência, percorríamos a pé, pois nem as bicicletas conseguiam passar.
 
 

 
Era um dos locais preferidos da malta de Âncora para passar uma tarde de verão, principalmente quando a nortada nos afugentava da praia. De bicicleta íamos até ao Amonde e deixávamos as “pasteleiras” numa quinta que, simpaticamente, a proprietária nos permitia a entrada.
- Ah… são os moços de Âncora? Ponham aí as bicicletas, ao pé do portão, que ninguém lhes mexe!
Ouvi estas frases vezes sem conta. Depois eram vinte minutos a pé por um caminho que mal se distinguia do resto do monte, ora a subir, ora a descer, até atingirmos aquele local paradisíaco só ao alcance de alguns, sim de alguns, porque havia muita gente que ia lá uma vez e não tornava, devido à dificuldade do acesso. Mas valia a pena, pelo silêncio, pelo isolamento e principalmente pela piscina natural e as suas águas cristalinas, sempre frias mas convidativas.
 
 

 
Anos depois, algum autarca cioso de divulgar aquele tesouro e de mostrar serviço a qualquer preço, decidiu abrir uma estrada calcetada até às suas imediações.
Toda a gente podia ir ao Pincho de automóvel. E foram e continuam a ir. De verão juntam-se inúmeros carros que provocam verdadeiros engarrafamentos, fazem-se piqueniques e acampamentos. Os automóveis são levados o mais perto possível da água, liga-se a música em altos berros, o lixo fica atirado pelos cantos. Acabou o sossego, já não há silêncio, já não há isolamento.
Um domingo de Maio, tarde encoberta, fresca e ventosa, fui (de carro) até ao Pincho com o objectivo de tirar umas fotografias e matar saudades.
Deixei o carro no fim da estrada empedrada e já lá estavam mais três, percorri uns duzentos metros e mais quatro automóveis estacionados na última descida até à água.
 
 

 
Vislumbrei um acampamento com duas tendas, mais à frente outro grupo de jovens conversava animadamente junto à água. O local estava sofrivelmente limpo, mas continuam a faltar os recipientes para o lixo. O monte ardido nos últimos verões está pelado, apresenta um ar desolado, tristonho mesmo.
A beleza natural da cascata e da piscina continua lá, as fotografias estão aí para prová-lo, mas este já não é o “meu” Pincho.
 
publicado por Brito Ribeiro às 12:05

Estive nos Pinchos este ano 2014, gostei do local pela calma e pureza. O acesso é pouco fácil mas creio que é uma forma de afastar demasiada gente, a agua é muito fria recomendo o fato de neoprene (eu levei) Creio que haverá por perto outros locais muito bons também Para o stress é muito bom. Recomendo levar sapatilhas para proteger os pés. Subia á segunda lagoa tem um local perigoso em caso de queda. Mas recomendo.
Carlos Pinto a 24 de Agosto de 2014 às 19:23

É brutal

https://www.youtube.com/watch?v=QOnf3b8T9g4&list=PL-y_TdY_7BxlNA7rYnXfhHSebw5ZWHuN0
Tiago Reis a 25 de Setembro de 2017 às 10:29

Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
17
19

20
22
24
25
26

27
29
30


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO