Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

29
Ago 14

A recente decapitação do jornalista americano James Foley elevou o nível de alerta da civilização ocidental para um patamar previsível, mas ainda não realizado. Se a isso somarmos o fuzilamento maciço de militares do Iraque e da Síria, às mãos dos insurgentes islamitas, só temos razões para estarmos preocupados. Duplamente preocupados, acrescento! Por um lado, porque o terrorismo islâmico tem um braço muito longo e pode, querendo, chegar onde deseja. Por outro lado, não posso esquecer que foi George W. Bush e “sus muchachos”, que nos Açores, em 2003, deram o pontapé de saída para a invasão do Iraque, como condição fundamental para a instauração da democracia naquelas terras do fim do mundo.

Ao invés da democracia anunciada, semearam o caos e o ódio ao ocidente, logo aproveitado pelos lunáticos líderes do radicalismo islâmico para pregarem cruzadas contra tudo o que não fosse a interpretação austera dos preceitos islâmicos. Veja-se o caso da Síria, da Líbia e até do Egipto, em que a revolta contra as ditaduras vigentes, colheu a simpatia e o apoio americano e europeu, até se perceber que os revoltosos estavam seriamente infiltrados pelos islamitas, obrigando os mesmos americanos e europeus a “virarem o bico ao prego” e apoiar as ditaduras no poder. No momento que escrevo esta crónica discute-se a possibilidade de os EUA procederem a bombardeamentos aéreos em coordenação com as forças de Bashar al-Assad.

Entre outros sinais preocupantes está o pedido de resgate por parte do autoproclamado Estado Islâmico da Síria e do Iraque, por uma americana sequestrada há cerca de um ano quando desenvolvia trabalho humanitário. Que estado é este e que princípios são estes que usam voluntários abnegados e descomprometidos com os ditames da política e do poder, como escudo, como fonte de financiamento e como moeda de troca para a libertação de terroristas internacionais?

A Europa não pode continuar a reboque dos EUA, nem de tratar estes problemas com pinças, paninhos quentes ou, pior ainda, com retórica. A Europa é uma região tradicionalmente aberta e tolerante, mas isso não pode ser confundido com fraqueza, subserviência e hipocrisia, perante uma ameaça cruel, maldosa e injusta, que viola os nossos princípios civilizacionais, pese embora, reconheça que com os políticos que temos não deveremos esperar muito.

O Mediterrâneo que é uma plataforma geoestratégica fundamental para a Europa e para a sua economia, não pode ser transformada numa rota incontrolável de emigração, que agrava exponencialmente o drama de todos os que procuram fugir da miséria económica e intelectual dos seus países de origem, bem como os problemas dos países de acolhimento, onde são presa fácil de máfias organizadas que os exploram como força de trabalho, onde nunca são assimilados com facilidade pela sociedade e onde acabam invariavelmente por constituir guetos, pasto fácil para o recrutamento subversivo, não raras vezes desaguando na violência, na marginalidade e, em casos extremos, no terrorismo.

publicado por Brito Ribeiro às 11:36
tags:

Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
27
28
30

31


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO