Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

06
Abr 12

Se há algo que distingue Vila Praia de Âncora de outras localidades do Alto Minho é a beleza da sua frente atlântica. A “praia das crianças”, como é conhecida, é banhada por um mar benévolo e por um rio que se passeia lento, serpenteando entre dunas até desaguar no meio do areal dourado.

 

 

 

 1950 Foz do Rio Âncora

 

Desde o início do século vinte que a Praia de Âncora é o destino de famílias inteiras que vinham a banhos e que por aqui ficavam durante vários meses. Outros tempos, que corriam devagar, onde as casas alugadas, modestas e simples, eram apalavradas de ano para ano. As barracas de praia, sempre colocadas no mesmo local, tinham por vizinhança as mesmas pessoas ao longo dos anos e as crianças de ontem, constituíam famílias hoje, para amanhã serem os seus filhos a perpetuar a renovação geracional.

Depois do 25 de Abril, as alterações mais visíveis foram ao nível da construção com o proliferar de imóveis de gosto e qualidade medíocre, que transformaram Vila Praia de Âncora, a pacata vila minhota, numa caótica povoação com um sector imobiliário desordenado onde cada um fazia o que melhor convinha aos seus interesses pessoais, secundarizando-se o bem-estar e o interesse público.

A abertura de novas estradas facilitou a circulação de turistas, a multiplicação de restaurantes, cativou mais visitantes e aos poucos a Praia de Âncora tornou-se cosmopolita, destino de moda de um turismo massivo que cria diversas dificuldades e que não aporta qualquer factor de diferenciação positiva.

É verdade que Vila Praia de Âncora também nunca se preparou para ser um destino turístico de qualidade. Desde logo a insuficiência de camas “legais” distribuídas por hotéis, residenciais e outros estabelecimentos hoteleiros. Continua, tal como antigamente, o negócio do aluguer de casas e apartamentos, a par com o aluguer de quartos nas casas particulares junto à praia.

Por outro lado a gastronomia oferecida não se consolidou com o tipicismo que se impunha a um porto de mar onde o peixe fresco devia ser uma constante. É caricato o Turismo (RTAM) andar durante vinte anos a promover a “Caldeirada à Tio Feito” e de repente, a organização que lhe sucedeu, deixou “cair” este prato para promover outra iguaria à base de polvo.

É grave e incompreensível que em Vila Praia de Âncora se esteja a destruir um património único como a paisagem, com a construção despropositada de equipamentos de interesse muito relativo no Campo do Castelo, o que configura mais um desperdício de dinheiro absolutamente injustificável. Face aos problemas estruturais que o porto de mar tem desde a sua construção, fazia todo o sentido ter aplicado esta verba na correcção dos erros cometidos, contribuindo assim para a melhoria das condições de trabalho e segurança, não só da comunidade piscatória local, mas da activa comunidade náutica da região.

Outro problema na área paisagista prende-se com a destruição do monte no Lugar da Póvoa onde uma exploração de pedra de grandes dimensões deixou uma cratera indisfarçável e cujo impacto é muito difícil de minimizar. Agora que a empresa está às portas da falência, o monte vai acabar por assim ficar e mais uma vez “quem se lixa é o mexilhão”, que é como quem diz, Vila Praia de Âncora é mais uma vez prejudicada.

Mais exemplos podia continuar a dar, ficam para a próxima, mas de uma coisa estou certo, a Praia de Âncora vai continuar a ser a “praia das crianças”, apesar daqueles que mais obrigação tem, pouco ou nada fazerem pela sua dignificação.

publicado por Brito Ribeiro às 19:44
tags:

Boa tarde:

Desculpe por estar a fazer um comentário num sítio indevido mas, como não consegui encontrar o seu contacto, foi uma das soluções que me veio à cabeça.

Estou a fazer um trabalho de campo que implica o levantamento de informação relacionada com a pesca de bacalhau no Alto Minho, gostaria saber se existe algum espólio, documentos relacionados com este período, empresa/instalações em Vila Praia de Âncora.

Se, por alguma razão não me puder facultar essa informação, agradecia que me indicasse o contacto de uma pessoa que me possa ajudar nesta pesquisa, ou ainda, indicar quais os procedimentos a seguir.


Agradecendo desde já toda a atenção dispensada, e aguardando uma resposta em breve,

Atentamente
Cristina Viana
Cristina Viana a 16 de Abril de 2012 às 15:50

Obrigado pelo comentário. Em Vila Praia de Âncora não há nenhuma empresa ou instituição com registos da pesca do bacalhau. Poderá tentar a Capitania de Caminha ou Viana do Castelo, assim como o Museu Marítimo de Ílhavo que tem certamente informação muito diversificada. Pode ainda contactar com o José Fangueiro (tem um blog que está na minha lista de links como "Pesca do Bacalhau") ou ainda o sr. Celestino Ribeiro um ancorense com muitos conhecimentos nesta matéria. Qualquer dado adicional através do meu mail brito.r@sapo.pt.
Disponha sempre.
BR

Obrigada pela resposta e pela sua disponibilidade.

Cristina Viana
Cristina Viana a 17 de Abril de 2012 às 02:05

Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO