Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

03
Ago 08

Portugal foi e ainda é um dos países pioneiros em fama e proveito no negócio da contrafacção. Antigamente ficávamos pelas camisas Lacoste e sapatinhas Adidas ou Nike, mas hoje consegue-se um leque de produtos alargados, desde as jóias até aos medicamentos. Claro que teve de entrar o sentido expansionista no negócio, o tal do mercado global, pois as vistas dos vigaristas portugueses são bem mais limitadas, com honrosas excepções.

As economias asiáticas em expansão, com mão-de-obra barata muitas vezes em regime de semi escravidão, aliciam sempre uns empresários (gosto da palavra) que deslocalizam as fabriquetas para a Índia ou a China onde produzem pechisbeque das melhores marcas. Se não dá em Pevidem, Guimarães ou Felgueiras, dá de certeza nos arredores de Xangai ou de Bombaim.
Os “nuestros hernanos” espanhóis, não podiam ficar de fora e depois da malograda experiencia de falsificar azeite com óleo de colza e outras porcarias que mataram centenas de pessoas, evoluíram para a falsificação do Vinho do Porto, feito ali para os lados de Barcelona. Mas como isto do vinho é sempre um bom negócio, desde que haja água, agora produzem Alvarinho às carradas e de qualquer jeito.
Mas não foi para vos falar de este tipo de falsificações que eu comecei a escrever. Para isso está a ASAE, sempre tão diligentes a apanhar DVD piratas ou a meter o nariz nos enchidos tradicionais ou nos tachos de arroz de cabidela…
 
Estava eu a ler o Jornal de Notícias há umas semanas atrás e deparo como um artigo em que é citada a praia de Carreço, no Concelho de Viana do Castelo, como “a praia das crianças”. O jornalista que assim escreveu desconhece (certamente) que cometeu um erro e uma apropriação ilegítima, pois a praia das crianças é (e sempre foi) a de Vila Praia de Âncora.
Curioso também o facto do pequeno mapa publicado no JN assinalar Vila Praia de Âncora para os lados de Cerveira ou S. Pedro da Torre.
Realmente o artigo não tem jeito e também não sei a que propósito alguém induziu em erro o articulista, mas é, de facto, lamentável querer usar um título que já tem dono.
Desde miúdo que sempre ouvi chamar assim à nossa praia, pelas características muito próprias e irrepetíveis do nosso litoral.
Um rio tranquilo e pouco profundo (onde as crianças podem chapinhar à vontade) que atravessa a praia e entra pelo mar dentro; uma areia finíssima e um extenso areal de dois quilómetros, que se inicia no portinho de Vila Praia de Âncora e remata nas rochas que sustentam o Forte do Cão; um mar habitualmente sereno, protegido pelos molhes do portinho que permite a entrada na água muitos metros, sem perder pé.
São estas as características que tornaram, durante mais de um século, a Praia de Âncora famosa como estancia balnear para toda a família.
Apesar de nos últimos anos terem acontecido alguns percalços com a qualidade das águas balneares e ainda não estarem definitivamente solucionados, problema que nos tem impedido de hastear a Bandeira Azul da Europa, a Praia de Âncora continua a ser um praia procurada pelos pais com crianças pequenas e por inúmeros jardins infantis da região norte, que nos meses de Junho e Julho animam o extenso areal.
Surpreende-me que ninguém tenha reagido a esse artigo do JN onde (grosseiramente) a verdadeira praia das crianças era relegada para o esquecimento.
 
Acho que tanto a Junta de Freguesia, como a Câmara Municipal deviam ter reposto a verdade, deviam ter saído a terreiro defender um património imaterial que é dos ancorenses, por muita cobiça que cause.
A própria Região de Turismo do Alto Minho tinha obrigação de desmentir as afirmações proferidas, pois a defesa da verdade é um dever para qualquer pessoa ou instituição, incluindo o JN, que como jornal de referencia, devia ter mais cuidado com o rigor da informação publicada.
publicado por Brito Ribeiro às 22:57
tags:

Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
27
30

31


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO