Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

20
Mai 08

Designação

Capela de S. Brás
 
Localização
Viana do Castelo, Caminha, Vila Praia de Âncora, Lugar de S. Brás
 
Protecção
Inexistente
 
Enquadramento
Rural, isolado, integração harmónica entre campos de cultivo no trecho inferior da superfície aluvial do Rio Âncora.
Insere-se em adro com muro de alvenaria de granito rebocada e com capeamento em cantaria, de pavimento em terra batida e pontuado por oliveiras, junto a caminho velho que conduz a Santa Maria de Âncora.
 
Tipologia
Arquitectura religiosa, maneirista. Capela de planta longitudinal e massa simples, com fachada principal terminada em empena, e rasgada por portal de verga recta e duas janelas rectangulares jacentes laterais.
Fachadas laterais terminadas em cornija e cegas, tal como a posterior. No interior ostenta retábulo-mor de talha policroma, maneirista, de planta recta e um eixo.
 
Características Particulares
Capela de linhas simples, conservando no interior o pavimento com seixos do rio em painéis geométricos, elemento popular que tem vindo a desaparecer do nosso património; na fachada principal rasgam-se interessantes frestas jacentes com moldura inferior formando esbarro acentuado para o exterior; a sineira, de construção recente, poderá ter substituído uma anterior mais antiga.
Nas obras de remodelação foi detectado no adro um sarcófago antropomórfico assim como sepulturas de caixa estruturada com lajes de granito e com tampa pétrea.
O retábulo, ainda que de estrutura maneirista, revela uma intervenção barroca, nas orelhas laterais e do ático e na moldura de acantos envolvendo o nicho. A sua leitura encontra-se, no entanto, muito adulterada pelo repinte de sabor popular. A decoração do frontal de altar deverá ser do séc. 20.
 
Utilização inicial e actual
Cultual e devocional: Capela
 
Propriedade
Privada: Igreja Católica
 
Época Construção
Séc. XVII / XVIII (conjectural)
 
Arquitecto | Construtor | Autor
Desconhecido.
 
Cronologia
Séc. XVII - Época provável de construção da capela e da feitura do retábulo-mor;
séc. XVIII - reforma do retábulo;
séc. XX - abertura do vão da fachada lateral esquerda; feitura da sineira; repinte do retábulo-mor.
 
Intervenção Realizada
Comissão Fabriqueira: 1980, década - restauro do retábulo; 2002 - obras de reparação da cobertura e dos paramentos.
 
Observações
*1 - Segundo transcrição de Lourenço Alves das "Memórias Paroquiais de 1758" (ALVES, 1985, p. 518), é tradição que no local desta capela esteve, outrora, implantada a primitiva Igreja Paroquial de Santa Marinha de Gontinhães.
 
 
 
 
 
publicado por Brito Ribeiro às 13:44

Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
17

18
19
21
22
23

26
27
29
31


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO