Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

27
Dez 07

Embora a Freguesia de Vilar de Mouros não pertença geográficamente ao Vale do Âncora, possui um monumento digno de registo e de enaltecimento. A ponte que liga as duas margens do Rio Coura, que liga as duas metades da freguesia, unico atravessamento ao nivel  do interior do Concelho deste curso de água, o que configura uma grave lacuna no planeamento estratégico da autarquia.

A causa próxima deste post, tem a ver com o facto da Câmara Municipal me ter brindado um baralho de cartas com fotografias de alguns monumentos concelhios.

Ideia interessante e simpática que peca pela falta de rigor em alguns casos e um erro grosseiro no que respeita à Ponte de Vilar de Mouros, ao ser classificada como ponte romana, o que em absoluto, é mentira.

 

 
 
Designação
Ponte de Vilar de Mouros
 
Localização
Viana do Castelo, Caminha, Vilar de Mouros
 
Acesso
Lug. da Ponte
 
Protecção
MN, Dec. 16-06-1910, DG 136 de 23 Junho 1910
 
Enquadramento
Urbano. Ergue-se na povoação de Vilar de Mouros, ligando as 2 margens do rio Coura e tendo nas proximidades algumas construções e a capela de Nª. Srª. da Piedade.
 

Descrição
Lançada sobre rio, de tabuleiro formando cavalete e precedido por rampas de acesso, assenta sobre 3 arcos quebrados, sendo o central maior, de aduelas estreitas e compridas, com talha-mar prismático a montante e talhantes a jusante, encimados por olhais de arco pleno, com guardas em cantaria aparelhada e pavimento calcetado com lajedo central separando-o em 2 faixas. A N. criou-se recanto com banco de pedra corrida e alminha com base decorada por volutões invertidos, pequeno nicho, vazio e sem qualquer ornato interior; exteriormente também com volutas e encimado por grande cruz.

 
 
Utilização Inicial
Equipamento: Ponte viária
 
Utilização Actual
Equipamento: Ponte com tráfego rodoviário
 
Propriedade
Pública: municipal
   
Época Construção
Séc. 14 / 15 (conjectural)
 
Arquitecto | Construtor | Autor
Desconhecido.
 

Cronologia
Séc. 14 / 15 - Época provável da construção; Séc. 18 - construção da alminha; 2004 - vedada ao tráfego pesado, devido a problemas estruturais; a Direcção Regional dos Edifícios e Monumentos do Norte solicitou à Faculdade de Engenharia do Porto uma peritagem à ponte; 2006 - elaboração de projecto de reabilitação da ponte pela DGEMN; 25 Outubro - as fortes chuvadas deixaram o imóvel parcialmente submerso, prevendo-se que a estrutura fique algo abalada.
 
Tipologia
Arquitectura civil de equipamento, gótica. Ponte de arco, seguindo o modelo criado pelo grande protótipo regional que foi a ponte de Ponte de Lima.
 
Características Particulares
O emprego de arcos quebrados com aduelas estreitas e compridas, e de olhais sobre os talha-mares, indica ser obra de finais do séc. 14 inícios do 15 e muito provavelmente impulsionada pela entidade concelhia.
 
Dados Técnicos
Estrutura mista com aparelho "mixtum vittatum".
 
Materiais
Granito.

 
Bibliografia
ARAÚJO, José Rosa de, Caminhos Velhos e Pontes de Viana e Ponte de Lima, Viana do Castelo, 1962; ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, Alto Minho, Lisboa, 1987;
 
Intervenção Realizada
DGEMN: 1936 - obras de conservação da ponte; 1960 - Reparação ligeira do pavimento; 1964 - obras de consolidação e conservação; 1977 - limpeza de vegetação; 1979 - trabalhos de conservação; 1984 - trabalhos de conservação; 2000 - consolidação e limpeza de paramentos; iluminação e arranjo da sua envolvente; 2003 - escoramento dos pilares.
 
Observações
A intensa vegetação e silvedo impede-nos confirmar o número de talha-mares e, portanto, de analisar a verdadeira estrutura da ponte. Visíveis são apenas 3 talha-mares, 2 deles intercalando os arcos e um outro a S. depois do arco.
 
publicado por Brito Ribeiro às 10:52

Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

17
18
20
21
22

23
24
25
26
28
29

30
31


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO