Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

31
Jul 07
Continuamos com o relato do Capitão Mário C. Fernandes Esteves que, relembramos, foi Comandante do “Gil Eannes” durante doze anos.
 
 
Para que seja possível fazer-se uma ideia do que significava e dos números envolvidos em cada uma das múltiplas actividades que o “Gil Eannes” desenvolvia, permitam-me muito sucintamente que diga o seguinte:
 
Como Navio Hospital
Sendo efectuadas, por época de pesca, cerca de 4000 a 4500 consultas, ficavam internados a bordo, aproximadamente e por campanha, 400 doentes acidentados ou com doenças de menos gravidade.
Executavam-se por época cerca de seis a sete dezenas de intervenções de grande cirurgia, cerca de duas centenas de extracções dentárias, inúmeros exames radioscópicos, um sem número de análises e, variadíssimas intervenções diárias de pequena cirurgia.
Nesta faceta de Navio Hospital, talvez a mais importante de todas as desempenhadas ao longo de uma época de pesca, permitam-me que destaque duas acções que servirão para ilustrar a que extremos se chegava na ânsia de salvar vidas ...
Decorria um dia normal de assistência nos bancos da Groenlândia e, quando estávamos a entregar isco a um dos navios, fomos subitamente alertados pelo “Sernache” que necessitava urgente assistência para um pescador que tinha sofrido um acidente e estava em muito más condições. O “Sernache” não se poderia deslocar ao nosso encontro por ter todos os botes na água. Imediatamente paramos a assistência que estávamos a prestar e rumámos para a posição do “Sernache”.
Resumindo, o acidente poderá descrever-se assim: o N/m “Sernache” estava a fundear em águas muito profundas com um ferro mais leve, suspenso de um cabo de arame que, por sua vez, estava enrolado num sarilho de ferro.
Ao cair em queda livre, a âncora esticou subitamente o arame o qual movimentou com muita rapidez o sarilho, fazendo saltar um braço deste que, por infelicidade, acertara com violência no temporal direito de um pescador. Fractura de crânio evidente, com derrame de massa encefálica, que vinha agarrada à sonda quando se pesquisava o ferimento.
A operação era muito melindrosa dada a proximidade do local atingido dos nervos óptico e auditivo. O Navio teria de estar o mais estável possível e isso era impossível de conseguir no mar aberto do estreito de Davies.
Para auxiliar os médicos o mais possível, dentro do meu campo de actuação e responsabilidade, conduzi o navio para largas milhas no interior do fjord de Amerdlock onde o mar estava calmo como um espelho e onde, também mandei parar todos os motores de bordo para acabar com todas as trepidações. A operação decorreu à luz de baterias durante cerca de seis horas.
O objectivo foi totalmente atingido e o Homem foi salvo graças à competência dos Drs. Boffa Molinar e Abílio B. Canhão e, também, ao espírito de missão que nos acompanhava a todos e que, sem esforço aparente, nos levava aos maiores esforços e sacrifícios.

 
Permitam-me apenas um outro apontamento de um enorme leque que guardo para sempre. Trata-se do Junipero, um pescador da Nazaré que apareceu a bordo do “Gil Eannes” aparentando um adiantado estado de Tp. Penso que é correcto que se diga nesta altura que eu sou apenas um Comandante da Marinha Mercante e não um médico.
Peço pois a todos os médicos que lerem este apontamento a máxima benevolência para qualquer imprecisão. O Navio estava também na Groenlândia em plena faina de distribuir isco para a pesca.
Os hospitais de terra não aceitavam doentes com aquela sintomatologia por medo de contágio e, por consequência, tínhamos de manter vivo o doente a bordo até à nossa chegada um porto da Terra Nova que distava cerca de dois mil quilómetros (mil e trezentas milhas marítimas para quem sabe de coisas naúticas).
Para mantermos o Junipero vivo foi necessário consumirmos todo o oxigénio medicinal que havia a bordo, os hospitais de terra não nos valeram porque tinham as suas reservas muito baixas, e, a única solução de que pudemos dispôr para manter aquela vida, foi utilizar o oxigénio da casa da máquina ou seja o oxigénio impuro que, normalmente é usado nas soldaduras.
E com ele vivo (depois de várias extremas unções que o Padre lhe deu) chegamos a St. John’s da Terra Nova onde foi internado num hospital especial para doenças contagiosas e onde recuperou o suficiente para mais tarde ser repatriado para Portugal. Não há muitos anos ainda o soube fazendo a sua vida normal lá para os lados da Nazaré.
Neste caso, o mérito não pode ser dado na totalidade aos médicos ou a quem com eles colaborou pois, muito sinceramente, creio que Deus também foi um óptimo colaborador.
Nesses tempos, até Deus fazia parte da nossa Equipa, e a prova disso, apesar de todas as competências é que, durante doze anos, nunca nenhum doente faleceu a bordo do Navio. Aliás, no caso de falecimento de alguém, num qualquer navio, era também o N/m “Gil Eannes” que ia ao encontro desse navio, recolhia o corpo do defunto, fazia a bordo o seu caixão, eram-lhe prestadas cerimónias a bordo, e depois a urna era depositada no talhão dos portugueses nos cemitérios de St. John’s, na Terra Nova, ou Hollsteinborg (porto da costa Oeste da Groenlândia), onde ainda hoje estão aqueles que pereceram e a quem a tripulação do “Gil Eannes” cuidava das suas sepulturas, sempre que aportávamos a tais locais.
Também na morte, a acção humanitária do “Gil Eannes” não foi nunca desprezada.
Quantos familiares das comunidades de Homens do Mar de Ílhavo, Aveiro, Lisboa, Porto, Setúbal, Nazaré, Peniche, Ericeira, Matosinhos, Âncora, Portimão, São Miguel (Açores) e outras localidades, por não terem junto a si os seus mortos, os não choram, ainda, sabendo-os longe?

 
Como Navio Capitania
Na pesca do bacalhau de então, espalhados por cerca de setenta navios, encontravam-se convivendo e trabalhando durante aproximadamente meio ano cerca de 6500 a 7000 indivíduos.
Era absolutamente natural, como não deixarão de pensar, que alguns casos de disciplina ou outros pudessem ocorrer durante esse longo período. Para que todos os casos de ordem disciplinar ou outros pudessem ser rapidamente atendidos minimizando os seus efeitos, quer de ordem humana, quer de ordem económica, havia a bordo do “Gil Eannes”, um oficial da Marinha de Guerra que desempenhava funções de Capitão do Porto, nos Mares da Terra Nova e Groenlândia.
Desempenharam as funções de Capitães do Porto a bordo do “Gil Eannes”, durante a vigência do meu Comando, os Senhores Capitão Mar e Guerra, Tavares de Almeida, infelizmente já falecido, Capitão Tenente Limpo Toscano, Capitão de Fragata, hoje um distinto Almirante, Mário Simões Teles, e, por último o Capitão Tenente António dos Santos Gaspar. Qualquer um destes distintos Oficiais da nossa Armada, excepto o saudoso Comandante Tavares de Almeida, poderá testemunhar o que de magnífico se teria passado durante o exercício da sua Capitania.
 
Como Navio Correio
No Mar Alto, as funções de recepção e distribuição de encomendas e correio, eram totalmente desempenhadas pelo “Gil Eannes”.
Assim, eram manuseadas a bordo cerca de um milhar de encomendas recebidas em Lisboa para os navios e suas tripulações e recebidas e/ou distribuídas cerca de setenta a oitenta mil cartas trocadas entre os pescadores e os seus familiares.
Por vezes juntavam-se a bordo, para selar, cerca de três a quatro mil cartas e, não é fácil imaginar quantos voluntários eram necessários para ajudar o tripulante encarregado desse serviço.
Ainda que possa haver quem pense que este serviço de correio não teria grandes dificuldades, independentemente dos pescadores com o mesmo nome e em navios diferentes, reparem neste envelope recebido no “Gil Eannes” em plenos bancos da Groenlândia:
 
Ex.mo Senhor
 
Navio Bilas
Ferreira Grave
Terra dos Cronos - Onde se vai meter o isco
 
Isto “traduzido” significava:
Ex.mo Senhor
 
N/m Allan Villiers
Faeringhehavn
A terra dos cronos era a terra onde a moeda era o “crown” dinamarquês e, Faeringherhavn era, de facto, a terra onde alguns veleiros se abasteciam de isco.

 
Como Navio Abastecedor
Todos os serviços de abastecimento aos navios da frota eram efectuados no Mar sob as mais variadas condições de tempo e mar e, também, de temperatura ambiente.
Este último factor, aparentemente de pouca importância, assume uma outra dimensão quando sabemos que a meio do Verão e, num dia sem nuvens e com um bonito Sol, a temperatura do ar poucas vezes atinge os seis graus positivos. Além de que a temperatura no interior dos porões frigoríficos onde se armazenava o isco para distribuir pelos navios de pesca era normalmente de vinte graus negativos.
Durante a campanha, distribuiam-se pelos navios da frota, cerca de 1800 a 2200 toneladas de isco congelado recebidas pelo N/m “Gil Eannes”, para que os navios de pesca não perdessem tempo, nos portos de North Sydney na Nova Scotia e Faeringherhavn, na Groenlândia.
Também se forneciam à frota, por campanha, cerca de 400 toneladas de água potável e aproximadamente 250 toneladas de combustível. Recebiam-se em terra e entregavam-se aos navios nos seus locais de pesca cerca de noventa toneladas de mantimentos de toda a espécie e largas centenas de redes de e malhas recebidas na Terra Nova.
Aos arrastões, que também eram assistidos diversas vezes por época, era distribuído todo o material de pesca recebido em Lisboa desde portas de arrasto de cerca de mil quilos cada, até redes e esferas de arraçal recebidas quer em Lisboa quer na Terra Nova. Desde equipamentos a farmácias, desde reparações eléctricas até reparações electrónicas de tudo se fazia para facilitar a vida aos nossos pescadores.

 
Como Navio Rebocador
Tanto alguns navios de frota à linha, como alguns arrastões beneficiaram do facto do “Gil Eannes” estar preparado para ser utilizado como navio rebocador, para resolução de alguns dos seus mais graves problemas. As mais de três mil milhas com navios a reboque, representaram, sem dúvida, um grande contributo a favor da economia, não só dos Armadores, mas também Nacional.
A título de exemplo, e sem de forma alguma esgotar o assunto, posso mencionar que, gozaram deste tipo de assistência - reboque - os seguintes navios:
Lugre Coimbra - dos bancos da Terra Nova para St. John's com avaria no motor principal.
Arrastão Invicta - dos bancos da costa do Labrador para St. John's com avaria numa pá do hélice reversível.
Arrastão Lutador - dos bancos do Sul da Groenlândia para o porto de Hollsteinborg, no Norte, com uma rede de pesca a imobilizar o motor e o leme.
Lugre Gazela I - de Noroeste dos Açores para o porto de St. John's, no início da sua campanha de pesca, com avaria no motor propulsor;
N/m Celeste Maria - do Norte dos Açores para o porto de St. John's no fim da sua campanha de pesca, com avaria irreparável no mar no motor propulsor;
Outras assistências do mesmo tipo de reboque se cumpriram, como por exemplo ao arrastão Álvaro Martins Homem, ao “Inácio Cunha” por exemplo mas, para não tornar demasiadamente extenso este apontamento escuso-me de as enumerar. Além de que, a precisa memória dos factos também já vai falhando.
 
Como Navio Quebra Gelos
Neste campo além da assistência prestada a arrastões dentro de campos de gelo há a destacar principalmente a assistência prestada ao “Rio Antuã” que lhe permitiu, com água aberta na proa, demandar o porto de St. John's, navegando durante catorze horas, através de um compacto campo de gelo, aproveitando a esteira aberta pelo N/m “Gil Eannes”, que navegava cerca de umas poucas centenas de metros na sua proa.
Esta navegação praticamente livre de obstáculos para o Rio Antuã, foi extraordinariamente difícil e penosa para o “Gil Eannes” que, muitas vezes, apenas com as suas duas máquinas a toda a força a vante conseguia romper a muralha de gelo à sua frente.
O exemplo anterior creio ser bastante elucidativo do que o “Gil Eannes” estava pronto a fazer, em socorro e para salvação de, todos aqueles que, de uma forma ou de outra, sentiam em perigo as suas vidas.
 
 
 
Mário C. Fernandes Esteves
(Comandante)
publicado por Brito Ribeiro às 10:16
tags:

Muito obrigado pelo comentário. O seu testemunho é fantástico!

Abraço

Sou o autor do projecto de recuperação do N/M "Gil Eannes e, a História do Navio Mãe da Frota Branca, foi feita a meu pedido expresso pelo Sr. Comandante Mário Esteves, quando lhe ofereci os planos do navio.
Se visitarem: naviodesafioeuropeu.blogspot.com vão verificar o quanto tenho feito para que este navio volte a ter a glória passada.
Tenho em vídeo, slides, etc., totalmente documentado o N/M "gil Eannes.
Se purem passar palavra, agradecia, com os melhores cumprimentos, dinis nazaré, autor e também um Homem do Mar!
dinis nazaré a 19 de Maio de 2009 às 21:25

Muito obrigado pelo seu contributo. Todos somos poucos para defender este património, este pedaçoda nossa história.
Tenho o maior gosto em divulgar a sua obra. Disponha sempre.
Abraço

Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
13
14

15
16
17
19
20
21

23
25
26
27
28

30


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO