Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

28
Jan 17

As festividades em honra da Senhora da Bonança ter-se-ão iniciado em Gontinhães no ano de 1883, no seguimento de uma devoção dos pescadores locais pela Senhora da Bonança, de Carreço, que tinha festividade e confraria com estatutos desde 1727.

9134819_gqWnU.jpegEnquanto em Carreço a festividade definhava, ao ser transferida para o Lugar da Lagarteira, em Gontinhães, ganhou rapidamente projeção, trazendo à povoação grandes quantidades de forasteiros. Dizia o correspondente local do Jornal da Manhã, no dia 21 de Setembro de 1885:

“Domingo, dia 13 do corrente, realizou-se nesta praia a romaria e festividade de Nª Sª das Necessidades, sita no Lugar da Lagarteira, que é localidade de banhos, denominada Praia d’Âncora.

No sábado à noite houve música de arraial, fogo d’ar e iluminação da capela e de algumas casas próximas, sendo muito grande a concorrência de famílias a banhos e de povo desta freguesia e das circunvizinhas.

No domingo de manhã fez-se a festa de capela a grande instrumental e sermão pelo distinto orador padre João Luís Afonso, encomendado da freguesia e de tarde houve procissão e sermão, pelo exímio orador padre capelão de Infantaria 3.

De tarde, principalmente, foi enorme a concorrência de povo de todas as freguesias vizinhas, vendo-se também grande número de pessoas mais gradas de Caminha e algumas de Viana.

Esta romagem e festa foi instituída há três anos pelos pescadores e é já a segunda da freguesia em pompa e brilho, vindo antes de pouco a ser a primeira.”

O apontamento deste jornal do Porto encerra um erro, pois a festa da Senhora das Necessidades, à época a mais importante de Gontinhães, realizava-se na segunda-feira de Pascoela e nunca na segunda semana de Setembro. A confusão ter-se-á dado pelo facto da capela que recolhia a Senhora da Bonança denominar-se “das Necessidades”.

dfdgfg.jpegA festividade da Senhora das Necessidades, conhecida popularmente por Feira da Lagarteira ou Feira das Trocas, foi declinando com o passar do tempo e deixa de se festejar com a abolição do feriado da Pascoela. A Feira das Trocas era muito apreciada pela juventude que, por um dia, trocava-se de namorado(a). Nesse dia os namorados ficavam “livres” e era habitual entabularem conversa com outra moça ou rapaz e irem durante a tarde apanhar rosmaninho para a Gelfa.

A ligação da comunidade piscatória da Lagarteira às gentes de Carreço explica-se pelo facto de alguns pescadores durante o verão arribarem às praias e enseadas de Carreço para nelas desembarcarem e venderem o peixe capturado, e por ali pernoitavam em condições precárias, tal como o fizeram os seu pais e avós galegos que visitavam sazonalmente a enseada natural do Moureiro, na Lagarteira, antes de fixarem residência no primeiro quartel do século XIX. Por outro lado como havia bons pesqueiros por aquelas bandas, poupavam o esforço da viagem de ida e regresso ao porto de origem na Lagarteira. Acresce ainda que Carreço tinha uma pequena comunidade piscatória, que até conseguiu construir um pequeno portinho de abrigo na praia do Lumiar.

praia-do-lumiar-2.jpgÀ Confraria da Senhora da Bonança de Carreço pertenceram vários Irmãos, distribuídos pelas comunidades marítimas entre a Lagarteira e Viana. Entre elas, a família Enes Azevedo, do Lugar de Paçô, que se fixou na Lagarteira em 1870 e durante várias gerações ocupou cargos na mesa daquela confraria, o que pressupõe uma forte ligação espiritual àquela padroeira. Na falta de uma padroeira dos pescadores da Lagarteira, estes tornaram-se devotos da santa de Carreço, acabando o processo na transferência daquela devoção para as terras ancorenses, tudo isto sem a oposição do povo de Carreço.

Esta festividade sempre teve um caracter misto, convivendo a parte religiosa com a parte profana, atraindo grande quantidade de visitantes à zona da Lagarteira e ao bairro marítimo, local onde decorriam grande parte das cerimónias mais emblemáticas, como as procissões, os sermões ou a bênção das embarcações.

Hoje continua a ser a festa maior de Vila Praia de Âncora e a ter como pano de fundo o portinho e a zona piscatória, pese embora a prevalência mercantil da festividade, em detrimento da devoção da comunidade piscatória.

 

Fontes: "De Santa Marinha de Gontinhães a Vila Praia de Âncora" de Maria Aurora Botão Rego; "A Masseira Ancorense" de Brito Ribeiro e Celestino Ribeiro

 

 

 

publicado por Brito Ribeiro às 11:34
tags:

Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27

29
30
31


subscrever feeds
Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO