Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

27
Abr 09

Designação

Dólmen da Barrosa / Anta da Barrosa / Lapa dos Mouros
 
Localização
Viana do Castelo, Caminha, Vila Praia de Âncora, Lugar da Barrosa, Rua Miguel Bombarda
   
Protecção
Monumento Nacional, Dec. 16-06-1910, DG 136 de 23 Junho 1910
 
Enquadramento
Urbano. Dentro da povoação de Vila Praia de Âncora, ergue-se no meio de um terreno particular, à direita da estrada e vedado por alto muro; nas imediações tem casas de habitação.
 
Descrição
Anta formada por câmara e corredor indistinto. A câmara, de planta poligonal tem 8 esteios, estando o da cabeceira partido, e a mesa (com superfície de 10,50 m2) que assenta sobre 3 deles. Corredor largo e desenvolvido com 6 m. x 1,46 m., segundo João Castro Nunes composto por 4 lajes, 2 de cada lado, estreitando ligeiramente para a entrada, virada a nascente, inflectindo para NE.
Escavações de 1948 puseram a descoberto, entre outras, 1 laje que entrava profundamente na parede da anta entre o espaço do último esteio do corredor e o primeiro da câmara. A Anta da Barrosa já não tem mamoa, contudo conserva alguma ornamentação característica da arte dolménica nas 3 lajes encontradas por Castro Nunes durante as escavações. São elas as linhas ondulantes (serpentiformes) e sinais em U obtidos por percussão.
 
Utilização Inicial
Funerária: Monumento de tumulação colectiva
 
Utilização Actual
Marco histórico-cultural
 
Propriedade
Privada: pessoa singular / Pública: municipal
   
Época Construção
Idade do Bronze (conjectural)
 
Cronologia
2000 - 1700 a.C. - Barreira cronológica para a sua construção, segundo João Castro Nunes;
Séc. I e II - ocupação romana, revelada pela descoberta de fragmentos de louça grosseira e de telha romana;
1879 - Martins Sarmento procede à recolha de parco espólio durante as escavações arqueológicas;
2000 - diagnóstico, elaboração de proposta e assistência técnica para a conservação, beneficiação, salvaguarda e revitalização pela DREMN.
 
Tipologia
Marco histórico-cultural, pré-histórico. Monumento megalítico com dólmen de apreciáveis dimensões, inserindo-se na tipologia do Noroeste Peninsular dos dólmens de corredor e, dentro desta, no sub-grupo apontado por G. Leisner com câmara e corredor indiferenciados.
Se esta indistinção é nítida ao nível da planta, ela já é mais problemática ao nível do alçado, dado o mau estado do corredor, pois actualmente o seu primeiro esteiro é nitidamente mais baixo do que a câmara, marcando assim uma ruptura de volumes.
 
Características Particulares
Constitui o monumento megalítico maior, mais importante e mais bem conservado até agora encontrado no Vale de Âncora, zona rica nesta cultura.
As suas dimensões fazem-no destacar do megalitismo do Noroeste Peninsular, caracterizado pela modéstia de proporções dos dólmens. Exceptuando-se a Anta de Santa Marta (Penafiel), o Dólmen da Barrosa é também aquele em que o corredor atinge maiores proporções.
 
Bibliografia
CARVALHO, Gen. Mesquita, O Dólmen da Barrosa, Porto, 1898; PINTO, R. de Serpa, O Austuriense em Portugal in Trabalhos da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia, vol. 4, Porto, 1928, p. 5 - 44; NUNES, João de Castro, Escavações no Dólmen da Barrosa in Revista Guimarães, vol. 61, Guimarães, 1951, p. 196 - 204; idem, Escavações no Dólmen da Barrosa (Âncora) II in Revista Guimarães, vol. 65, nºs 1-2, Guimarães, 1955, p. 154 - 159; s.a., Guia de Portugal, Lisboa, 1965; JORGE, Vitor Oliveira, Megalitismo do Norte de Portugal: Um Novo Balanço in Portugalia, nova série, vol. 4 / 5, Porto, 1983 / 84, p. 37 - 48; ALVES, Lourenço, Caminha e seu Concelho (Monografia), Caminha, 1985; VILAÇA, Raquel, Arte Megalítica in História da Arte em Portugal, vol. 1, Lisboa, 1986, p. 23 - 29.
 
 
Intervenção Realizada
1879 - escavações arqueológicas por Martins Sarmento;
1948 - escavações arqueológicas por João de Castro Nunes no interior e em circunferências;
1979 - arranjo e melhoramento.
 
Observações
Durante as escavações de 1948, Castro Nunes encontrou 2 lajes de granito, de diferente qualidade, à profundidade de 1 m., em posição horizontal do lado oposto à galeria, ali postos a esmo.
A 3ª laje, gravada em ambas as faces, foi encontrada, como já anteriormente referimos, criando certa separação entre o corredor e a câmara, e posta de cutelo ao mesmo nível da base das lajes laterais do corredor.
Devido ao seu interior estar completamente remexido, não foi possível estabelecer a estratigrafia do espólio. Como é comum nos demais monumentos megalíticos do N. do país, o espólio aqui encontrado é também pobre, em quantidade e qualidade.
Existe um litígio entre a Câmara e um dos proprietários esperando que o poder judicial se pronuncie sobre a posse de parte da Quinta da Barrosa, local onde está implantado este dólmen.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
publicado por Brito Ribeiro às 22:08

15
Abr 09

Um grupo de amigos ancorenses foi até S. Lourenço da Montaria em excursão a 10 de Junho de 1933.

Sentados da esquerda para a direita: José Joaquim Lopes, Padre Lúcio (abade de S. Lourenço) e Dr António Gonçalves Ramos (dentista em V. P. de Âncora). De pé: Tenente Alexandrino dos Santos (delegado marítimo), Tenente Mário Pinho, Manuel Martins Pinheiro e Dr. luís Inocencio Ramos Pereira. O fotografo foi, como habitualmente, o Dr. Rampana.

 

 

Acabaram por subir nesse mesmo dia até à Porta do Paraíso, na Serra D'Arga, a cerca de 800 metros de altitude onde o Dr. Rampana mais uma vez os fotografou.

 

 

Tendo em conta os 800 metros de altitude, o dia provavelmente quente, a indumentaria dos montanhistas e a idade deles, é de salientar a coragem demonstrada.

publicado por Brito Ribeiro às 22:20

10
Abr 09

Vamos então recuar no tempo, vamos tentar imaginar e procurar visualizar épocas remotas, perdidas já na memória, para podermos entender tudo o que se passou desde o princípio até aos dias de hoje na Serra d’ Arga, tomando como exemplo estas povoações que constituem “As Argas”.

 
No IV milénio a.C. (ou seja há cerca de 6 mil anos atrás), as comunidades humanas megalíticas implantaram-se nas suas encostas, entre os 200 e 400 metros de altitude. Por isso encontramos alguns dólmenes nas freguesias vizinhas. Estas primeiras populações viviam da agricultura itinerante, abrindo clareiras com o auxílio do fogo, promovendo assim, sucessivas queimadas. Recolhiam frutos silvestres e viviam da caça e pesca.
A Serra d’ Arga desta época era muito diferente do que é hoje, encontrando-se coberta da chamada floresta primitiva que cobria Portugal de Norte a Sul, onde a Norte do rio Tejo abundavam os extensos carvalhais.
 
Na Idade do Ferro, surgem os primeiros povoados de carácter defensivos – os Castros. Entre estas comunidades castrejas destacam-se os Celtas que já possuíam uma estrutura social, com chefes e geralmente, ocupavam os altos dos pequenos montes (por exemplo o Alto da Coroa em Arga de S. João, o Monte de St.ª Luzia em Viana do Castelo). Estes povos viviam sobretudo da actividade pastoril e da caça.
 
Com as invasões romanas dá-se a primeira grande transformação da paisagem da Serra, uma vez que inicia-se a desflorestação das áreas baixas, junto aos principais rios (Minho, Lima, Coura e Âncora) e onde se encontram os solos mais férteis para a produção de cereais como o centeio e o milho-miúdo ou milho-painço, igualmente plantava-se o linho, couves, pomares e vinhedos. É por isso que as populações de então, começam a ocupar os solos junto aos rios e aos seus terrenos agrícolas.
 
Já mais tarde, na chamada Idade Média, as populações concentram-se e formam núcleos populacionais em redor das povoações fortificadas, tais como Caminha, Ponte de Lima, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira, etc, de forma a estarem protegidas de invasores.
Estas populações medievais trabalhavam as terras férteis dos senhores feudais e do clero, junto dos principais rios e dedicavam-se à pastorícia entre os limites das terras aráveis e a meia encosta, ficando o restante da Serra, ainda coberta da floresta primitiva, reservada à nobreza para caça ao corço, ao cervo, ao urso e ao javali.
 
Nesta altura, na Serra d’ Arga abundavam os lobos e não existia qualquer núcleo humano. Apenas existia o pequeno mosteiro de S. João d’ Arga que vivia do apoio dado pela freguesia de Covas. As “Argas” não existiam nesta época.
 
Com os Descobrimentos, nos finais do século XV e inícios do século XVI, Caminha era um importante porto que concorria com Viana do Castelo. De ambos portos saíam produtos do Alto Minho (por exemplo o vinho verde) com destino às chamas Índias e entravam diversos produtos oriundos de África, da Ásia e da América.
 
Foi do continente Sul Americano que veio um produto agrícola que provocou a grande transformação da Serra d’ Arga, da nossa região e do nosso país – o Milho.
Foi com a introdução do Milho e do feijão, e posteriormente da batata que se iniciou a ocupação da Serra, pois aquelas terras inicialmente utilizadas para pastagens, foram ocupadas com estes novos produtos agrícolas, obrigando a conquistar à Serra novas áreas de pastagem.
 
Com a melhoria da alimentação humana e do gado, dá-se um forte crescimento demográfico e a consequente necessidade de incrementar a produção agrícola para sustento das populações. Surgindo assim, novos povoamentos que cultivam as terras ocupadas anteriormente por pastagens e provoca-se a desflorestação da Serra para albergar as novas pastagens e intensifica-se o pastoreio.
Igualmente, ocorre a necessidade de madeira de carvalho para abastecer os estaleiros de S. Bento, em Viana do Castelo, para a construção das naus (sendo necessários 4000 a 6000 carvalhos para cada nau).
 
Tudo isto provocou uma grande alteração na paisagem e no meio natural. Implantando-se assim, novos núcleos populacionais a maiores altitudes, surgindo deste modo as “Argas”, cuja origem terá sido nos movimentos pastoris provenientes do concelho de Arcos de Valdevez, tal como se comprova em documentos históricos.
Daí que as primeiras referências às freguesias de Arga de S. João, Arga de Baixo e de Arga de Cima, surjam apenas em meados do século XVI.
 
A intensificação do pastoreio, as queimadas sucessivas, o abate de árvores para a construção das embarcações e a ocupação humana da serra com a implantação fixa de povoações, contribuíram para nos princípios do século XX, a Serra d’ Arga se apresentasse praticamente despida de vegetação arbórea, tendo completamente desaparecido o bosque primitivo, emergindo apenas do solo o mato rasteiro, necessário para a alimentação dos gados de caprinos e de bovinos (raça barrosã).
Nesta época os rebanhos eram constituídos por mais de 5 mil cabeças de cabras que apascentavam em toda esta Serra. O espaço florestal, conhecido por baldio era gerido pelas populações.
Contudo, em virtude desta situação alarmante de desflorestação intensiva, a qual se vivia de igual forma a todo o norte do rio Tejo, surge em 1940, pela mão do Estado Novo, o Plano de Povoamento Florestal, o qual retira a gestão dos terrenos baldios às populações para entregar à recém criada Junta de Colonização Interna, a qual irá gerir os montes e os trabalhos de florestação até 1974.
 
Esta política florestal foi a responsável pelo povoamento florestal da Serra d’ Arga com monoculturas de pinheiro-bravo, pela abertura de caminhos e pela aplicação de medidas repressivas sobre o pastoreio, o que conduziu ao abandono da actividade pastoril, pois foi proibido o pastoreio nas extensas áreas florestadas e o corte de matos.
Isto provocou o despovoamento das “Argas”, cuja população viu-se obrigada a partir, principalmente para Lisboa, para trabalhar como carvoeiros, no comércio e restaurantes. Aqueles que não saíram entre as décadas de 40 e 70, subsistiam trabalhando para os Serviços Florestais na limpeza e florestação do monte e nas indústrias mineiras de exploração de volfrâmio (para o fabrico de armamento para a II Guerra Mundial e mais tarde para a Guerra Colonial).
 
Após o 25 de Abril de 1974, entrega-se novamente a gestão dos baldios às populações, mas um sentimento de revolta ou a necessidade criar novas áreas de pastagem levou a que na década de 80, deflagrassem intensos incêndios florestais que dizimaram as extensas massas de monocultura do pinheiro-bravo.
Só que já não existiam os grandes rebanhos de cabras nem jovens que os acompanhassem, logo a paisagem da Serra d’ Arga ficou alterada para sempre.
Hoje, são alguns os idosos que apascentam pequenos rebanhos de ovelhas, pois a idade já não lhes permite acompanhar os enérgicos e inquietos rebanhos de cabras.
 
Serra d’ Arga foi durante milhares anos uma montanha “santa”, ou seja separada, entregue aos cuidados da natureza selvagem para mais tarde, os seus ricos recursos virem a ser o sustento do Homem.
As comunidades rurais de montanha souberam gerir esses recursos num ambiente duro e inóspito, trabalharam as suas encostas, abriram carreteiros e caminhos, fizeram equilibradas pontes para cruzar os seus inúmeros cursos de água, criaram campos cercados por muros de pedra solta, fizeram as suas habitações e os seus locais de culto.
Tudo isto, é hoje o património construído que, em conjunto com os recursos naturais da serra, constituem uma herança digna de conservar para as gerações vindouras. Esperemos que Homem de hoje saiba valorizar e gerir tão bem ou melhor que o Homem que povoou no passado a Serra d’ Arga.
Fonte: http://www.celtasdominho.org/
publicado por Brito Ribeiro às 17:29
tags:

06
Abr 09

A crise está aí e todos procuramos fintá-la com expedientes e desenrascanços mais ou menos originais. Os comerciantes optam muitas vezes por promoções e saldos, de forma a impulsionarem as vendas e realizarem algum capital.

Em Faro, na Rua de Santo António o proprietário da "Tezenis" se bem pensou, melhor executou e obteve óptima publicidade para o seu estabelecimento, mesmo que todos perguntassem que tinha sido a besta que fizera o cartaz.

 

publicado por Brito Ribeiro às 11:19
tags:

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
28
29
30


subscrever feeds
Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO