Ambiente, história, património, opinião, contos, pesca e humor

31
Mai 07
A vida voltava lentamente à normalidade. O Bertinho retomara o trabalho na mercearia, o Gonçalves “Adesivo” continuava a dar e a ter sempre com a língua afiada como uma navalha, o Zé Bastos ia e vinha afadigado com as caixas da fruta e dos legumes.
A Júlia recuperara do susto, o Simplício fora à sucata entregar o maltratado Fiat 127 e lá mesmo lhe indicaram um carro “jeitoso”, que estava à venda no stand da avenida, por detrás da Câmara, um Ford Fiesta, já com uns anitos, mas em bom estado de chapa e de motor.
Pelo menos foi o que lhe garantiram e foi já no seu Fiesta verde escuro, que se apresentou em frente da loja, buzinou duas vezes e esperou que a Júlia viesse à porta. Mas quem apareceu foi o Bertinho, que se baixou para ver melhor, quem estava ao volante.
- D. Júlia, venha cá depressa, que está aqui alguém a chamá-la – diz o Bertinho, virado para dentro da loja.
- Então que se…Simplício, filho onde foste buscar esse cangalho?
- Cangalho? Ora essa, de mecânica está como novo e pelo preço não podia pedir mais.
- Ora! Tu não tinhas necessidade… Tens lá na garagem o Mercedes, que nunca usas.
- Sabes bem que queria era trocá-lo por um Volkswagen Passat, destes novos…
- Passat!!! Nem penses, para andares com um carro igual ao dessa besta do “Adesivo”! Nunca! Troca pelo tu quiseres, mas Passats é que não.
- Está bem, está bem, depois falamos nisso, para já estou remediado com o Fiesta. Até logo, vou ao Libório e depois ainda passo por aqui, antes de ir para casa.
 
O Bertinho que assistira à conversa da porta da mercearia, logo comentou:
- É um carrito engraçado e para as voltas do Sr. Simplício serve bem, desde que não dê problemas.
- Continuo na minha, tem o Mercedes parado, só pega nele uma ou duas vezes por mês ou quando eu vou a Espanha. Até parece mal, uma pessoa como ele, andar naquela carripana.
Pára uma carrinha em frente à porta, sai o Zé Bastos, abre a porta lateral e começa a descarregar, caixas de alface e de repolhos. A seguir, saem dois sacos de cebola e pergunta à Júlia:
- Oh Júlia, também queres cenouras? Olha, tenho aqui uns abacaxis, que são um luxo.
- Deixa um saco de cenoura, se forem grandes. Sabes que só gosto delas grandes e lisinhas; mostra lá esses abacaxis para ver se valem alguma coisa. A propósito, diz lá ao teu irmão, que aquele doutor do Porto a quem ele vendeu a moradia, lá no monte, está furioso, porque diz que a obra está uma porcaria.
- Não pode ser! Como é que soubeste disso?
- Foi a mulher dele, que esteve aqui a fazer compras no sábado passado e contou a quem quis ouvir.
- Olha que o meu irmão é muito consciencioso, tu conhece-lo.
- Pois, por conhecê-lo é que te aviso que se calhar é melhor ele lá ir e remediar as asneiras que fez antes que seja tarde. Ainda fazem queixa dele na Câmara.
- Por aí estou eu sossegado. – Baixou a voz e segredou quase ao ouvido da Júlia - Sabes que ele manobra aquilo tudo lá dentro. Tem o engenheiro e os fiscais na mão, sabes como é! Estava aqui muita gente quando a mulher dele falou da casa?
- Estava cheia a loja, era sábado de manhã. Mas, pelos vistos, não falou disso só aqui.
- O quê? Não me digas!
- Ai digo, digo! A Suzete peixeira já me veio com esse conto. Estás a ver que já está espalhado.
- Estafermo da mulher… Vou telefonar ao meu irmão.
- Isso, sabes bem que a partir de agora, nada dessas coisas podem acontecer. Pode deitar tudo a perder – diz a Júlia.
- Ora, também não exageres.
 
O Bertinho cortava fiambre na charcutaria e esticava o pescoço em direcção ao canto das hortaliças. Por pouco não tirou uma fatia a um dedo, que ainda roçou a lâmina.
- Livra, quase dava cabo da mão…
- Se estivesses com atenção ao que estás a fazer, em vez de olhar para o que vai…- diz-lhe o Zé Bastos.
O Bertinho muito vermelho, não lhe deu a confiança de uma resposta e virou-lhe ostensivamente o traseiro.
 
- Oh Sr. Tita, aqui há mistério. Eles falam baixo, mas nota-se perfeitamente que estão combinados e o assunto é conhecido por ambos.
- Mas falam de quê? Isso é que me trás intrigado.
- Isso também eu queria saber! E agora junta-se a cada passo, a peixeira, essa também sabe do esquema deles.
- Peixeira, que peixeira?
- A Suzete, Sr. Tita, você conhece, não conhece?
- Conheço, de ginjeira… Arranjei-lhe muita caixa de carapau que trazia de Espanha e lhas passava sem lucro, só para a ajudar e agora passa por mim e faz de conta que não conhece.
- Ai a Suzete também andava no contrabando? Muito me conta.
- Nem mais um pio sobre isso, entendido? Quero é que descubras o que andam eles a tramar.
- Só sei que o Zé Bastos anda sempre a correr para Barcelos e só vem à noite.
- Bertinho, abre bem os olhos e os ouvidos, para ver se descobres algo. Lembra-te que o teu futuro pode depender disso. Entendido?
 
“Ora muito boa tarde, senhores “óbintes”. Sintoniza a Rádio Estrela, com Agostinho Moravitch ao microfone, para lhe dar as ultimas notícias. Segundo apuramos, vai iniciar-se na próxima semana, o julgamento dos assaltantes do posto dos correios. A rádio Estrela vai, naturalmente fazer amplas reportagens deste julgamento e vamos até tentar fazer um directo, na leitura da sentença. Tudo para que os nossos “óbintes” estejam informados, em cima da hora.”
 
- Quando tu acabares, vou eu também fazer o mesmo. Temos de aproveitar agora, porque é uma oportunidade única –diz a Júlia ao Zé Bastos.
- Já podias estar como eu, tu é que não quiseste começar este ano.
- Dava muito nas vistas, irmos os dois para Barcelos.
- Isso é verdade, viste há bocado, o safado do teu empregado a tentar escutar a nossa conversa.
- Vi, vi e temos de falar disso. Não podemos mais continuar a tê-lo a coscuvilhar. Mais vale trazê-lo para o nosso lado, que sempre o controlamos melhor.
- Não sei, não… Eu não confio nele, tu já sabes – dizia o Zé Bastos de cenho franzido.
- Mas eu controlo-o, só preciso que concordes, como fizeste com a Suzete.
- Oh mulher, isso é diferente. A Suzete é de confiança e o homem dela também. Agora o Bertinho, não sei. Ainda ontem o vi a falar com o contrabandista.
- Quem, o Quim Tita?
- Sim…
- Mais uma razão para trazermos o Bertinho para o nosso lado. Esse velho mafioso anda a ver se lhe dá a volta e tirar-lhe nabos da púcara.
- Deixa-me pensar, também quero falar com o meu irmão e com os de Barcelos, a ver o que eles dizem.
- Mas vê lá como lhes explicas as coisas!
 
 
 
publicado por Brito Ribeiro às 08:10
tags:

Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
17
19

20
22
24
25
26

27
29
30


Relógio
Visitantes
contador de visitas gratis
Hospedagem de Sites
O Tempo
miarroba.com
Buffering...
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO